Notícias

Ver todas

Jornal UFG

Ver Todas

Eventos

  • 44º Festival de Música Belkiss S

    44º Festival Internacional de Música Belkiss S. Carneiro de Mendonça

    24 Out a 27 Out

     

    banner festival musica

     

    44º Festival Internacional de Música Belkiss S. Carneiro de Mendonça

    Escola de Música e Artes Cênicas - UFG

    Goiânia, 24 a 27 de outubro de 2021.



    A história da música em Goiânia pode ser contada através da história dos festivais promovidos pelo então Conservatório Goiano de Música, depois Instituto de Artes e hoje Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás;

     

    Desde sua primeira versão, esses eventos trouxeram a Goiânia reconhecidos nomes do cenário brasileiro e internacional: instrumentistas, cantores, compositores, regentes e educadores musicais, que deixaram sua marca na formação de nossos profissionais. O Festival de Música promovido pela EMAC/UFG é o evento do gênero mais antigo do Brasil, que tem sua realização desde 1968 aos dias atuais;

     

    O 44º Festival Internacional de Música Belkiss S. Carneiro de Mendonça será realizado pela  Escola de Música e Artes Cênicas – UFG entre os dias 

    24 a 27 de outubro de 2021 no formato on-line;

     

    Haverá concertos, concertos didáticos,  palestras e máster classes, oferecidos gratuitamente para a comunidades;

     

    Há participantes tanto como professores convidados como alunos de várias partes do mundo; 

     

    Todo o Festival será transmitido pelo canal do YOUTUBE da EMAC/UFG.



    https://www.emac.ufg.br/p/39680-44-festival-internacional-de-musica-belkiss-s-carneiro-de-mendonca




    Dia 24/10  

     

    19:30 Concerto de Abertura 

    Concerto Digital 

    Transmissão ao vivo pelo canal do you tube EMAC UFG

     

    Jacob TV (1951) - Billie
    Shawna Pennock, Saxofone
    Greg Hankins, piano 


    Jacob do Bandolim (1918-1969) - Assanhado
    Everson Ribeiro Bastos - Piano e Arranjo


    Giovanni Bottesini (1821-1889) / Arranjo: Neto Bellotto
    Duo Concertante sobre temas de “I Puritani” de Bellini para Violoncelo, Contrabaixo e Orquestra
    Mariana Amaral, Violoncelo
    Taís Gomes, Contrabaixo


    Jacob do Bandolim (1918-1969) - O Vôo da Mosca
    Bruno Rejan - Baixo Elétrico


    Osvaldo Lacerda (1927-2011) - Melodia
    Pedro Alliprandini - Clarineta


    Maurice Ravel (1875-1937) - Tzigane - Rapsódia para Violino e Orquestra
    Emmanuele Baldini - Violino
    Thierry Fischer - Regente
    Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP)


     

    Dia 25,26 e 27/10

     

    Encontros Remotos

    Local: salas virtuais

    10 - 11h

    11- 12 h

    15- 16 h

    16 - 17h

     

    Palestras, Master Classes, Recitais Didáticos.

     

    Dia 27/10  

     

    19:30 Recital de Encerramento do Festival 

    Concerto Digital  

    Transmissão ao vivo pelo canal do you tube EMAC UFG

     


    Mário Tavares (1928-2003) - Concertino para flauta, fagote e cordas (1959)
    I. Allegro
    II. Moderato
    III. Vivo e scherzando
    Eduardo Monteiro - Flauta Transversal
    Aloysio Fagerlande - Fagote
    Norton Morozowicz -  Regência
    Orquestra Sinfônica da UFRJ


    Hans Sitt (1850-1922) - Albumblätter, Op.39, para Viola e Piano
    - Moderato
    - Andante sostenuto
    - Allegro
    - Allegro
    - Lento (não sei se foi cortado esse movimento)
    - Allegro molto vivace
    Hella Frank - Viola
    Cristina Capparelli Gerling - Piano

    Eugene Bozza (1905-1991) - En Foret para Trompa e piano
    Igor Yuri Vasconcellos - Trompa
    Carlos Costa - Piano

    Carl Nielsen (1865-1931) -  Concerto para Clarineta e Orquestra
    Patrick Severo - Clarineta


    Gilson Peranzzetta, D. Caymmi e T Gilette - Obsession
    Everson Ribeiro Bastos - Piano
    Gilson Peranzzetta - Arranjo

    Daniel Dorff (1956) - Flash! para Piccolo e Piano
    Stefânia Benatti - Piccolo
    Tim Carey - Piano

    Compositor: Ivan Lins, Vitor Martins
    Composição: Vieste
    Interprete: Banda Pequi com participação do cantor Maninho
    Arranjo: Rafael Rocha




    PROFESSORES 

    Festival

     2021



    Flauta transversal

    Eduardo Monteiro enviado

    Stefânia Benatti enviado



    Flauta Doce

    António Carrilho (Portugal)

    Reine-Marie Verhagen (Holanda)

    David Castelo



    Clarineta e Saxofone

    Shawna Pennock  (EUA)

    Patrick Viglioni (Primeira Clarineta na Orquestra Filarmônica de Goiás) 


    Trompa

    Philip Doyle (UFRJ)

     

    Violino

    Alejandro Drago

    Emmanuele Baldini (Itália)

    Oliver Yatsugafu

    Hella Frank

     

    Viola

    Daphne Gerling (EUA)

    Rafaell Altino (Dinamarca)

    Ulisses Silva

     

    Violoncelo

    Coordenador Prof. Emerson Nazario

    Robert Suetholz

    Mariana Amaral

     

    Contrabaixo (Elétrico e acústico)

    Alexandre Rosa

    Sonia Ray

    Bruno Rejan



    Piano popular

    Rayne Vitorino

    Diogo Monzo

    Bia Cyrino

     

    Violão Popular e Guitarra

    Vinícius Gomes

    Gleyson Andrade

    Marcelo de Melo

     

    Piano

    Danieli Longo Benedetti

    Fátima Corvisier



    Violão

    Alisson Alípio

     

    Canto

    Professora Dra. Lenine Santos

    Maestro André dos Santos

    Dra. Neuseli Lamare

    Dra. Glaucia Rocha

    Profa. Eiko Senda



    Composição

    Francisco Colasanto

    Tatiana Catanzaro

    Felipe de Almeida Ribeiro

    Fernanda Aoki Navarro (AUS, EUA)

     

    Educação Musical

    Jose Nunes Fernandes

     

    Regência

    Maestro Emanuel Martinez

    Maestro Linus Lerner

    Katarine Araújo

     

    Musicoterapia

    Marina Horta Freire

    Ambra Palazzi

    Andressa Dias Arndt

     

    COMISSÃO ORGANIZADORA

     

    Gyovana  Carneiro

    Presidente

     

    Alexandre Gonçalves

    João Casimiro Cohon

    Luís Carlos Furtado

    Othaniel Alcatâra

    Sérgio Veiga







     

  • XX Semana de História (3)

    XX Semana de História da UFG - História pública e ameaças à cidadania

    25 Out a 29 Out

    Visite o site do evento, programação geral e datas importante

    Clique para ver a programação dos simpósios temáticos

    Clique para ver a programação de minicursos 

    Para se inscrever no evento, clique aqui

    XX Semana de História (3)

    A globalização acelerou os processos comunicativos através de suas redes de articulação. Mas com isso cresceram também as agressões e ameaças ocultas à alteridade. Uma suposta possibilidade de exercício democrático no mundo virtual nos iludiu em grande medida, fazendo acreditar que o acesso à informação seria o suficiente para garantir a participação ampla e irrestrita das pessoas nesta grande arena de debates. (1) Nos últimos anos percebemos que esse “novo modo de participação” ajudou a eleger líderes antidemocráticos, cujas estratégias se pautaram justamente pelo uso das novas tecnologias e da interação acelerada com os usuários desse espaço de comunicação.

    A dimensão pública do conhecimento, no entanto, não se limita à rede de informação virtual. Museus, praças, televisão, cinema, teatros, festas, exposições, roteiros de turismo, dentre outras formas de publicitação dos saberes são mediadores de uma construção coletiva de conhecimento, apontando que a universidade é apenas um dos lugares em que esse processo se desencadeia. Neste cenário, a História Pública emerge como possibilidade de compreender e dialogar com esses outros espaços de articulação, em que o saber cientificamente construído nem sempre é a referência de quem elabora os seus enredos.

    A História Pública consiste em um esforço colaborativo que visa compreender as narrativas históricas para além do âmbito acadêmico e escolar. Busca democratizar o processo de construção do conhecimento histórico, sem dispensar a seriedade analítica que caracteriza o saber científico. Nesse sentido, tende-se a despertar a consciência histórica de um público mais amplo e diverso.(2) Nas décadas recentes, ela vem se tornando um caminho para fazer história de forma pluralizada, incentivando a comunidade a participar com as suas próprias narrativas.

    Pensando nesse cenário de redes de comunicação e de articulação entre academia, escola e sociedade, vislumbramos possibilidades de “invadir” espaços que os saberes cientificamente elaborados por vezes não conseguem ocupar da forma como poderiam. Para isso, é necessário que pensemos sobre as especificidades da historiografia e de sua trajetória enquanto saber historicamente elaborado, para a partir daí projetar possibilidades e reconhecer os limites da interação com as demais formas de saber.

    A XX Semana de História da UFG, ao eleger a temática “História Pública e as ameaças à democracia”, colabora para que esse debate se faça presente no âmbito acadêmico, reconhecendo as múltiplas possibilidades de produção e divulgação de conhecimento histórico na perspectiva aqui apresentada. Lança, assim, o desafio de pensarmos coletivamente as interrelações entre essas histórias públicas e os ataques à democracia, considerando a cultura histórica e o tempo presente no mundo globalizado.

    Essas ameaças despertam a necessidade de um amplo debate público e não somente o consumo de informação. A História Pública pretende ampliar a participação dos diferentes sujeitos que produzem as narrativas em seu cotidiano, a partir de perspectivas diversas e muitas vezes conflitantes com aquilo que se produz e pensa na academia. O modo como as pessoas interpretam a experiência temporal(3) de si mesmas e do mundo em que vivem produz um cabedal de memória coletiva, patrimônios históricos, identidades, representações e narrativas que não podem ser ignoradas ou desprezadas por quem pretende investir na produção do conhecimento histórico.

    Convidamos a todos e todas para se integrar a esse grande debate a favor de histórias públicas viabilizadoras de uma cultura democrática que respeite e garanta a dignidade humana. Nessa arena que se tornou ainda mais frequentada desde o começo da pandemia de Covid-19, principalmente em sua versão virtual, vislumbramos “[...] disputas vigorosas, na qual adversários ideológicos lutam pelo legado, patrimônio e memória pública de acontecimentos ocorridos há muito ou há pouco tempo, e que ainda estão de desdobrando”.(4) Quais são os desafios lançados a nós, interessados e interessadas em “pensar historicamente”, nesse cenário de ameaças à democracia?

    1 - LOWANDE, Walter. A internet é garantia de democracia? In: ROVAI, Marta (org.). Revisionismos: a universidade esclarece. São Paulo: Mentes Abertas, 2020, p.89-104.

    2 - ALBIERI, Sara. História Pública e consciência histórica. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de Almeida; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p. 19-28.

    3 - RÜSEN, Jörn. Didática da história: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 07-16, jul-dez. 2006.

    4 - ZAHAVI, Gerald. Ensinando História Pública no século XXI. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de Almeida; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p. 53.

     

     

     

     

     

     

  • XVII EBEE IF UFG

    XVII Escola Brasileira de Estrutura Eletrônica

    25 Out a 28 Out

    Para acessar o formulário para submissão de trabalhos, até 20 de setembro de 2021, clique aqui

    Clique aqui para fazer a inscrição, até 30 de setembro de 2021

    Visite o site da XVII Escola Brasileira de Estrutura Eletrônica

    XVII EBEE IF UFG

     

    XVII Escola Brasileira de Estrutura Eletrônica

    Encontram-se abertas as inscrições e submissões de trabalhos para a XVII Escola Brasileira de Estrutura Eletrônica. A Escola Brasileira de Estrutura Eletrônica (EBEE), integra as Escolas de Física Jorge André Swieca, da Sociedade Brasileira de Física (SBF). A XVII EBEE tem como público-alvo pesquisadores, estudantes de pós-graduação, iniciação científica e de final de graduação das áreas de Física, Química, Biofísica, Computação e afins que tenham como foco de interesse o entendimento e estudo da estrutura eletrônica dos materiais.
     
    Os objetivos principais da XVII EBEE são:
    • Fornecer uma formação atualizada em Estrutura Eletrônica de Átomos, Moléculas, Líquidos, Nanoestruturas e Sólidos para alunos de mestrado, doutorado e final de curso de graduação, enfocando aspectos experimentais, teóricos e simulação computacional, de modo que o estudante possa ter uma visão integrada do como fazer nesta área.
    • Propiciar o contato entre alunos e pesquisadores de diferentes centros de pesquisa.
    • Dar aos alunos uma visão do estágio atual das pesquisas em Estrutura Eletrônica dos Materiais no Brasil.
    • Promover aos alunos uma visão interdisciplinar da Estrutura Eletrônica dentro das suas diversas linhas de pesquisa.
    • Servir de veículo de divulgação dos trabalhos em andamento pelos estudantes e pesquisadores na área de Estrutura Eletrônica.
    • Promover a colaboração e a integração entre diferentes pessoas, grupos de pesquisa e instituições.
     
    Destaca-se o estudo de novas metodologias para a avaliar a estrutura eletrônica dos materiais, novos materiais, interface entre a aplicação de materiais entre diferentes áreas do conhecimento e a excelência de todos os palestrantes do evento na área de Estrutura Eletrônica.

     

    Datas importante

    - Submissão de resumos: até 20 de setembro;

    - Inscrições:  até 30 de setembro;

    - Resultado da avaliação dos resumos:  até 30 de setembro;

    - Pagamento ou cancelamento das inscrições:  até 05 de outubro;

    - Data do evento: de 25 a 28 de outubro de 2021.

     

     

     

     

  • Workshop desafios para o monitoramento de Carbono nas pastagens Brasileiras

    Workshop desafios para o monitoramento de Carbono nas pastagens Brasileiras

    27 Out

    As pastagens têm grande relevância social, ambiental e econômica no Brasil, ocupando cerca de ¾ da área cultivada, e influenciando a vida de milhões de pessoas, tanto pela produção de alimento (carne, leite, etc.) quanto pelos impactos ambientais advindos do uso. Devido ao manejo inadequado, uma porção significativa das pastagens apresenta-se com características de degradação. De modo que, compreender seu funcionamento pode contribuir para ganhos de eficiência nesta classe de uso da terra, gerando benefícios socioambientais. 

    Nesse contexto, foi desenvolvida uma ferramenta que possibilita estudar a dinâmica de carbono e nitrogênio em ecossistemas através de modelo baseado em processos em escala regional. Isto foi possível através da integração entre banco de dados edafoclimáticos georreferenciados e o modelo CENTURY. 

    Com o intuito de agrupar as iniciativas existentes e promover a discussão sobre estudo da dinâmica de carbono no Brasil, estamos organizando o workshop “Desafios para o monitoramento de Carbono nas pastagens brasileiras", para o qual temos o prazer de convidá-los. 

    Este será um importante momento para pesquisadores compartilharem suas experiências e debaterem sobre os desafios e oportunidades relacionados a esse tema, de forma a promover a colaboração e interação entre grupos de pesquisa. 

    Para mais informações acesse: bit.ly/WorkshopCarbono

    Workshop desafios para o monitoramento de Carbono nas pastagens Brasileiras

  • AssistenciaSocial_Thiko

    I Encontro do Grupo de Trabalho de Pesquisa Plano de Contingência da Assistência Social na Pandemia Covid-19 no Brasil

    27 Out

     

    AssistenciaSocial_Thiko

     

    I Encontro do Grupo de Trabalho de Pesquisa Plano de Contingência da Assistência Social na Pandemia Covid-19 no Brasil - “Interconectividade SUS e Suas na pandemia covid-19: reiterados desafios contemporâneos para o Serviço Social”

    Participantes

    Aldaiza Sposati, doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1986). Atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Coordenadora do NEPSAS - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Seguridade e Assistência Social e do Cedest - Centro de Estudos das Desigualdades Socioterritoriais. Tem experiência em Gestão Pública, Gestão Social com ênfase em Política da Assistência Social, atua principalmente nos seguintes temas: assistência social, proteção social, seguridade social, política social, políticas públicas, gestão pública e estudos socioterritoriais de necessidades e serviços. Foi secretária das Administrações Regionais (1989/1990) e da Assistência Social da cidade de São Paulo (2002/2004). Vice-Reitora Comunitária da PUC-SP (1988). Vereadora da Cidade por 3 mandatos consecutivos (1993-2004) 

    Ionara Vieira Moura Rabelo, psicóloga, doutora em Psicologia pela Unesp-Assis (2011) com estágio sanduíche na República Dominicana (Instraw/ ONU Mulheres). Professora adjunta da Universidade Federal de Goiás/ Regional Goiás e professora da Universidade Paulista (Unip- Câmpus Flamboyant/Goiânia). Psicóloga do Núcleo de Vigilância às Violências e Promoção da Saúde, Secretaria Municipal de Saúde da cidade de Goiânia. É pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Violência e Gênero da Unesp-Assis. Psicóloga na organização Médicos sem Fronteiras com atuação nos Territórios Ocupados da Palestina (2011), Tabatinga-Amazonas (2012), fronteira da Turquia e Síria (2014 e 2015), Libéria (2015), Equador (2016) e Etiópia (2019). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social e Saúde atuando principalmente nos seguintes temas: saúde mental, gênero, psicologia da gestão integral de riscos e desastres, violência e saúde coletiva.

    Mediação

    Selma Aparecida Leite de Andrade, doutora e mestre em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC SP. Docente, Membro NDE e Coordenadora da Comissão de Monografia no Curso de Serviço Social da UFG Câmpus Goiás. Membro do Comitê de Internacionalização da UFG Câmpus Goiás e coordenadora do Núcleo de Base do Conselho Regional de Serviço Social de Goiás (Cress_GO - Nucress Rio Vermelho). Integrante do Núcleo de Estudos sobre questões metodológicas e ensino em Serviço Social (Nemess) - Programa de Pós-graduação PUC-SP. Membro do grupo de pesquisadores RedIncomplex Bilbao, Espanha. Membro Comitê de Internacionalização da UFG Câmpus Goiás. 

    Instituições parceiras

    Universidade Estadual de Goiás (UEG); Instituto Federal de Goiás (IFG); Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC SP); Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); Universidade Federal do Pará (UFPA); Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

  • café com ciência 27-10-21

    Café com Ciência Live "Semicondutores Magnéticos Diluídos (DMSs): multifuncionalidade e desafios"

    27 Out

    Clique no link para assistir ao evento

    Para se inscrever e participar pelo Zoom, clique aqui

    café com ciência 27-10-21

     

    Café com Ciência Live "Semicondutores Magnéticos Diluídos (DMSs): multifuncionalidade e desafios"

    Palestrante convidada é a docente do Instituto de Física da Universidade Federal de Goiás (IF/UFG), Hermínia Pessoni e Silva

    Na palestra, a docente irá apontar alguns resultados experimentais e modelagens de óxido de zinco (ZnO) como DMS (em cerâmicas e pós-nanométricos) e discutir os desafios que precisam ser superados para que a aplicação tecnológicas destes materiais seja consolidada.

    Os DMSs destacam-se em um contexto de busca pelo desenvolvimento de materiais com multifuncionalidades, que impulsiona várias áreas de ciência de base e aplicada. Eles são caracterizados pela possibilidade de ocorrência de semicondutividade e ferromagnetismo simultaneamente quando o material é dopado com íons magnéticos em baixas concentrações.

    Com expectativa de obtenção de ferromagnetismo a temperatura ambiente (RTFM), o interesse imediato no desenvolvimento de DMSs é para possíveis aplicações em Spintrônica.

    Neste cenário, o óxido de zinco (ZnO) é interessante em decorrência de suas características físicas únicas, como bandgap óptico largo (3,37 eV), alta energia de ligação de éxciton (60 meV) e boa solubilidade de metais de transição (4d) dopantes na matriz cristalina hcp.

    Para receber divulgações sobre as próximas palestras do Café com Ciência, mande um e-mail para cafecomciencia.if+subscribe@ufg.br.

    Fonte: Comunicação IF/UFG, com informações da organização do Café com Ciência

Ver todos

Fique Atento

  • Goyaz 2001 + 20 (31-8 a 13-12-21)

    Goyaz 2001 + 20: Patrimônio mundial, qual humanidade?

    30 Ago a 13 Dez

    Para assistir ao evento, clique aqui

    Clique aqui para se inscrever 

    Goyaz 2001 + 20 (31-8 a 13-12-21)

     

    A data de 13 de dezembro de 2021 marca os 20 anos de conquista do título de Patrimônio Mundial, outorgado pela UNESCO à Cidade de Goiás, em cerimônia realizada na cidade de Helsinque, Finlândia. O evento, que iniciará dia 30/08/21 a 13/12/21, tem como propósito criar um espaço de reflexão e debates sobre os efeitos da patrimonialização da (e na) cidade, desde os tombamentos de imóveis isolados e do Conjunto Urbanístico do Largo do Chafariz na década de 50, ao tombamento da poligonal em 1978, até o reconhecimento pela UNESCO, em 2001, e rerratificação do tombamento, em 2004.

    Uma questão que norteia este evento é: quais os impactos de todos os reconhecimentos, em nível estadual, nacional e mundial para a cidade, em termos de melhorias das condições de vida de seus habitantes, aumento de emprego e renda, e no fluxo de pessoas e capitais? Mas além destes fatores de ordem estrutural, espera-se, sobretudo, observar como a categoria “patrimônio mundial” foi apropriada e ressignificada pelos moradores da cidade e como a partir deste processo de reflexividade alguns grupos iniciaram uma demanda por reconhecimento, identidade e pertencimento.

    Este evento visa possibilitar que o conhecimento gerado nas instituições de ensino locais e regionais (UFG Goiânia e Goiás, UEG e IFG) seja compartilhado com a (e na) Cidade de Goiás em diálogo com os moradores, as associações civis e organizações não governamentais. São dezenas de monografias, dissertações e teses, artigos científicos e livros, produzidos tanto pelas três instituições proponentes, quanto por instituições de ensino e pesquisa de outras regiões do Brasil. Além do mais, há um debate que se adensa e se complexifica na própria cidade, em vários grupos, que contribui sobremaneira para este processo de reflexividade sobre “para que servem os patrimônios?”.

    A realização do evento é uma parceria entre a UAECSA do Câmpus Goiás com o Neap (Núcleo de Estudos de Antropologia, Patrimônio, Memória e Expressões Museais) da FCS (Faculdade Ciencias Sociais) do Câmpus Goiânia.

    Mais informações sobre o evento podem ser encontradas clicando aqui.

    As dúvida podem ser enviadas para o seguinte e-mail: goyaz2001.20@gmail.com

  • 2º Diálogos em tempo de cólera

    2º Diálogos em tempos de cólera

    15 Set a 03 Nov

    Conheça o site do evento, clicando aqui

    O período de inscrições é de 9 a 14 de setembro de 2021. Para se inscrever no evento, clique aqui 

    2º Diálogos em tempo de cólera

     

    2º Diálogos em tempos de cólera

    O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicologia, Educação e Cultura da Faculdade de Educação (Neppec/FE/UFG) , em comemoração aos seus 20 anos de formação e pesquisa, promoverá a segunda edição do curso livre "Diálogos em tempos de cólera", nesta ocasião intitulado "2º Diálogos em tempos de cólera", o que ocorrerá, inicialmente, a partir de seis encontros, no formato de mesas redondas.
     
    O objetivo geral do curso é promover discussões pelas linhas de pesquisa que constituem o Neppec, promovendo diálogos e reflexões entre a universidade e a comunidade externa.
     
    O curso livre é uma proposta de educação não-formal. Significa o mínimo de formalidade possível e não se exige critérios como conhecimentos prévios, relação com a instituição proponente ou idade. Os participantes serão avaliados pelo registro de presença nos encontros e por uma avaliação do curso que será solicitada ao final do mesmo. Em virtude da pandemia da covid-19,o curso será desenvolvido por meio da plataforma virtual de conferência - RNP.
  • Arte Ciclo de Seminário

    Ciclo de Seminários - Programa Paisagens de aquém e além-mar - "Ensaios sobre a paisagem: Brasil e Portugal"

    16 Set a 09 Dez

    Para assistir ao evento, clique aqui ou aqui

    Para se inscrever na palestra 1 de 16/9/21, clique aqui 

    Para se inscrever na palestra 2 de 30/9/21, clique aqui

    Para se inscrever na palestra 3 de 14/10/21, clique aqui 

    Para se inscrever na palestra 4 de 28/10/21, clique aqui 

    Para se inscrever na palestra 5 de 11/11/21, clique aqui 

    Para se inscrever na palestra 6 de 25/11/21, clique aqui

    Para se inscrever na palestra 7 de 9/12/21, clique aqui 

    Arte Ciclo de Seminário

    CARTAZ PAISAGENS PTBR

    Ciclo de Seminários - Programa Paisagens de aquém e além-mar - "Ensaios sobre a paisagem: Brasil e Portugal"

    O Paisagens de aquém e além-mar é um projeto que inclui um ciclo de Seminários que nasce da vontade de promover um diálogo sobre as paisagens culturais portuguesas e brasileiras, a partir do olhar de diversos especialistas nacionais e internacionais e da experiência e vivência dos participantes brasileiros e portugueses, contribuindo para um entendimento sobre o carácter e a relação da Paisagem e Arquitetura Paisagista Portuguesa e Brasileira nos tempos de hoje, tendo como base abordagens precursoras. As paisagens de Gonçalo Ribeiro Telles e Burle Marx e o Museu da Fundação Gulbenkian e a Embaixada de Portugal em Brasília são alguns dos pontos de partida na procura daquilo que nos aproxima. O objetivo é contribuir para o entendimento sobre qual o papel da evolução desta Paisagem e da Arquitetura Paisagista para as cidades de hoje e a sua contribuição para se pensar o ordenamento dos nossos territórios e para o desenho das cidades do futuro, nos seus desafios contemporâneos, e em questões como a biodiversidade, saúde, a adaptação às alterações climáticas, bem como a promoção do património urbano-ambiental e inclusão e coesão social.
    Através de uma parceria com o Camões – Centro Cultural Português em Brasília, a Universidade Federal de Goiás, Rio de Janeiro e Estadual Paulista e a Universidade do Porto, através do Observatório de Paisagem da Faculdade de Ciências e o CIBIO-InBIO, a Universidade de Évora e de Lisboa. Organiza-se
    um Ciclo de Seminários e debates online, transmitidos ao público em geral pelos canais sociais da Universidade Federal de Goiás e da Universidade do Porto.
    Além do Ciclo de Seminários com 7 encontros que ocorrerão a cada 15 dias, a partir de 16 de setembro, contará com 2 exposições : Gonçalo Ribeiro Telles e Rosa Grena Kliass. Esta proposta e demais ações relacionadas se configuram como eventos paralelos do 27o Congresso Mundial de Arquitetos, promovido pela UIA.

    Objetivo: o ciclo de seminários pretende fomentar o debate sobre o diálogo entre Portugal e Brasil sobre a
    Arquitetura Paisagista.

    Estrutura: o Seminário está estruturado em sete temas. Cada tema reunirá especialistas das diferentes universidades, além de outros convidados, que se apresentarão em módulos.

    Formato do seminário: on-line, por módulos, através da plataforma Streamyard, disponibilizado no youtube Universidade Federal de Goiás (UFG) e Universidade do Porto.

    Duração de cada módulo: 1h30 (em média 4 palestrantes e no final debate)

    Período: 16 de setembro a 9 de dezembro de 2021 (a cada 15 dias às 18h-hora de Portugal), com um total de 15 módulos.

    Forma de participação: evento gratuito com inscrição via Sympla.

    Contatos: https://www.fc.up.pt/paam/ | @paisagensdeaquemealemmar| ciclopaisagensptbr@gmail.com

  • mão_na_massa_II

    II Congresso Internacional Online entre Arte, Cultura e Educação

    19 Out a 28 Out

    O prazo para se inscrever como ouvinte termina em 13 de outubro de 2021. Para fazer a inscrição como ouvinte, clique aqui

    mão_na_massa_II

     

    II Congresso Internacional Online entre Arte, Cultura e Educação

    O II Congresso Internacional Online entre Arte, Cultura e Educação: Reconexões da Abordagem Triangular no Ensino das Artes é organizado e coordenado pelo Mão na Massa, um grupo de professores, professoras, pesquisadores, pesquisadoras e profissionais que busca promover investigações de processos estéticos e artísticos no diálogo entre Arte, Cultura e Educação em suas reconexões da/com a Abordagem Triangular.

    A Abordagem Triangular, sistematizada pela professora Ana Mae Barbosa, contempla percurso epistemológico na arte e seu ensino há 30 anos. A professora e pesquisadora Ana Mae realizou a conferência de abertura na primeira edição do evento e tem participação confirmada neste II Congresso Internacional Online entre Arte, Cultura e Educação.

    O congresso aceita comunicações de relatos de experiências e pesquisas significativas e ressignificativas da/pela Abordagem Triangular. As submissões estão abertas de acordo com o cronograma abaixo e as proposições aceitas serão apresentadas pelos seus autores no evento que se inicia dia 19 de outubro.

          
              
    Inscrições para submissão de “Proposições de Experiências”

    De 19/07 até 19/08/2021

    Inscrição para participar de evento como “ouvinte”

    De 04/09 a 13/10/2021

    Inscrição para Submissão da “Pesquisa/Texto Inédito” Até 08/11/2021


    Para mais informações, acesse o site oficial do Mão na Massa: experiências [re]significativas

Mundo UFG discute a pandemia e os seus efeitos nos mais pobres

Rádio UFG

Simpósio promovido pelas IFES de Goiás discute s dimensões, impactos e consequências da crise da Covid-19

A UFG

A Universidade Federal de Goiás foi fundada em 1960 com a fusão de cinco faculdades já existentes. Com 102 cursos de graduação, mais de 6 mil vagas disponíveis por ano na graduação e mais de 28 mil alunos, está presente nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia e Goiás. Além da graduação, a UFG oferece 78 cursos de pós-graduação entre mestrados, doutorados e mestrados profissionais.

Reitoria UFG
Localização
Regional Goiânia
Regional Goiás
Clique para carregar o mapa

Câmpus Samambaia

Avenida Esperança s/n

Câmpus Colemar Natal e Silva

5ª Avenida - Setor Leste Universitário

Câmpus Aparecida de Goiânia

R. Mucuri, s/n - St. Conde dos Arcos, Aparecida de Goiânia - GO, 74968-755

Clique para carregar o mapa

Campus Jatobá - Cidade Universitária

BR 364, km 195, nº 3800

CEP 75801-615

Campus Riachuelo

Rua Riachuelo, CP 03

CEP 75804-020

Clique para carregar o mapa

Campus I

Av. Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 1120

Setor Universitário - CEP 75704-020

Campus II

Avenida Castelo Branco, s/n

Setor Universitário - CEP 75704-020

Clique para carregar o mapa

Avenida Bom Pastor, S/n - Setor Areião, Goiás